sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Casando aqui e na Bélgica


Flora e Ruben conheceram-se há muito tempo, quando Flora, ainda adolescente, fez um intercâmbio na Bélgica e depois de um longo namoro à distância decidiram casar-se no religioso na Capela Santa Ignez na Gávea e na Bélgica no civil. Solução muito inteligente, pois contemplaram seus inúmeros amigos e familiares com eventos distintos que só ajudaram a reforçar com alegria e beleza a decisão de formarem uma nova família. Tangerine Cerimonial ocupou-se de toda a assessoria, cerimonial, e montagem do evento, tendo como colabora principal Arminda Antunes que soube como ninguém interpretar o gosto da noiva e de sua mãe, que optaram, também, em fornecer aos convidados, após a cerimônia, um elogiado cocktail da DA Gastronomia, Cássio Vieira Coral e Orquestra foi o responsável pela música na capela e colocação de música ambiente escolhida com carinho pelos noivos, que tinham como principal objetivo oferecer uma recepção descontraída e alegre aos animados amigos e parentes  que aproveitaram esse encontro também para conhecer a família belga do noivo.

Foram horas de descontração, alegria e emoção, onde vários idiomas eram falados e a importância do momento prevaleceu para todos os presentes. Os vestidos da Flora e sua mãe foram de Stephanie Cachapuz, e estavam lindos. A noiva optou por não usar véu o que só realçou a linda grinalda de Sonia Andradelima. Arminda Antunes  fez um buquê dos sonhos. As fotos foram do Clique e Pausa e a filmagem feita pela empresa da madrinha de batismo da noiva, Mariana. O Cia filmes foi também a responsável pelo save the date do evento , que já havia chamado minha atenção pela sensibilidade e competência de dois profissionais, até então, desconhecidos por mim, e que agora vejo despontam no nosso mercado de filmagem de casamento. Após a lua de mel em Fernando de Noronha, os noivos partiram para a Bélgica onde o casamento civil foi também muito festejado, com direito a comemorações ao ar livre e passeios descontraídos pela floresta: o melhor de dois mundos. Dias especiais que ficarão para sempre guardados em suas melhores lembranças.










terça-feira, 12 de agosto de 2014

Tangerine: o perfume da festa!!


O nome do cerimonial tem a sua origem no óleo essencial Tangerine. Ao escolher o nome levei em consideração a sonoridade do nome Tangerine, a sua cor vibrante, alegre, que afasta as emoções negativas e faz nos sentirmos menos inseguros, menos penosos, mais compreensivos com os defeitos dos outros , além de contribuir com a vontade de perdoar e também, principalmente, as propriedades do óleo essencial que aumentam a alegria e as vibrações positivas de um ambiente. É o óleo da festa e tem tudo a ver com o nosso trabalho.

Há muito tenho pensado em desenvolver um aroma para o Cerimonial que remetesse à sua origem e fosse responsável pela harmonia e alegria do ambiente. Carolina Osório, bio-perfumista, foi quem desenvolveu as amostras, mas, confesso, não foi tarefa fácil escolher a que me pareceu melhor. Carol Osório trabalha também com eventos e faz sucesso em personalizar festas com aromas exclusivos, que são sempre um sucesso, principalmente casamentos. Claudia Haddad do Papel à la Carte, reconhecida por sua competência e profissionalismo, foi a responsável pelo desenvolvimento da embalagem. O aroma não foi criado para uma festa em especial, mas para fornecedores e amigos do Tangerine Cerimonial com os quais quero repartir o meu desejo sincero de que a alegria da festa esteja sempre com vocês.
 

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Enfim, bem casados



Quando o noivo me comunicou que estava preparando uma surpresa para a noiva após a cerimônia, não sabia que esse seria um dos pontos altos de uma manhã de sábado no Outeiro da Glória, com cerimônia conduzida com a natural leveza do Frei José Pereira e um repertório perfeito executado por Delfim Moreira e Orquestra. Morando em Belém do Pará, a noiva Angela, sempre objetiva e amiga, confiou ao Tangerine Cerimonial assessoria, cerimonial e decoração do evento. O Outeiro estava lindo com flores de A Roseira e iluminação e sonorização da recepção de Otávio Roldan As fotos ficaram por conta de Ana Mokarzel, amiga da noiva de Belém do Pará, e de Daniela Justus e a filmagem foi de Fábio Alves. Profissionais de primeira, com equipes que só somaram ao retratar toda a emoção do evento, a alegria de crianças fofinhas e felizes correndo pela Igreja e pelo salão, os momentos de encontro de familiares queridos que viajaram de longe para festejar juntos a união, o amor e a alegria de um casal que, como na música cantada por Marcos, “vivia  em paz na solidão”. Bem, já comecei a falar da surpresa. O noivo, muito afinado e bem acompanhado ao piano pelo Delfim Moreira, surpreendeu a todos e, principalmente, a noiva, cantando  a música “Acaso”, de Ivan Lins e Abel Silva. A partir daí, na recepção seguida de almoço, foi só descontração e alegria, em um espaço histórico e intimista como os noivos desejavam, para celebrar a alegria de encontrar o amor que o acaso havia reservado para eles. Os móveis foram do Portal do Oriente, o bufê, sempre muito elogiado, da DA Gastronomia. Os doces Louzieh estavam em caixinhas do Papel à la carte, também responsável pela programação visual dos convites e menus, e tinham  impresso no  interior das tampas: “Enfim, bem casados”. Os bem-casados (mesmo!) foram da Elvira Bona e o bolo Naked cake foi do Casal Garcia: um sucesso! As cores das flores do salão, amarelo, rosa e laranja, tinham a ver com a personalidade solar da noiva. Um dia feliz. Enfim, bem casados.   
  

  




quinta-feira, 21 de novembro de 2013

O que ela leva nessa bolsinha?

Trabalho com organização e, sem querer ser repetitiva, digo que organização é “liberdade e segurança”. Não há humor que resista ao caos de um evento mal planejado. Os profissionais que trabalham na área levam a sério esses valores, pois sabemos que imprevistos acontecem, mas, à medida que nossa experiência aumenta, ficam cada vez mais raros. Na malinha do Cerimonial levamos itens para vários tipos de imprevistos, que não são o assunto dessa postagem, mas que fazem toda a diferença quando um acontecimento insólito nos surpreende em um momento em que tudo deveria fluir. Há algum tempo, tínhamos uma nécessaire exclusiva para a noiva, mas a experiência nos ensinou que esse não era um item prático nem higiênico, pois cada noiva apresenta uma tonalidade diferente de pele, pode ser alérgica a algum produto de maquiagem, asmática, gostar de determinada marca de dentifrício, não usar batom alheio, e por aí vai. Vejo que é sempre com muito prazer que as noivas preparam a sua bolsinha e a deixam com a assistente do Cerimonial, que se encarrega de portá-la durante todo o evento. Dependendo de cada noiva, como disse, não podem faltar: itens de maquiagem, fio dental, escova para dentes, batom da cor escolhida para o dia, pente, remédios para algum tipo de doença/incômodo (dor de cabeça, enjôo, colírios, bombinha para asma, perfume, desodorante. Já grampos, alfinetes, kit de costura e spray para cabelo fazem sempre parte daquela malinha, “salva evento” do Cerimonial.

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Teto de Aço

Nesses doze anos trabalhando em eventos, já organizei casamentos de alguns militares, mas, por diferentes razões, o Teto de Aço era sempre suspenso. Não foi assim no casamento de Adriana e André, que puderam desfrutar dessa demonstração de amizade por parte de seus companheiros de farda. Devo dizer que ficou algum suspense em torno do fato e somente no ensaio da véspera é que o noivo André finalmente me comunicou que haveria o Teto de Aço. Mesmo sendo a primeira vez, permaneci tranqüila, pois o noivo, como bom militar, deu algumas orientações e disse, com segurança, que seus colegas saberiam o que fazer.  Tive uma aula sobre o Teto de Aço e entendi o porquê de ainda não ter feito um casamento com tal cerimônia, que requer autorização do comandante responsável e permissão para o comparecimento dos oficiais fardados e do noivo usando farda de gala. Foi realmente um dia especial para todos os amigos e familiares que compareceram à Capela Santa Ignez, decorada pela A Roseira, onde a cerimônia religiosa foi conduzida com emoção e leveza pelo sempre descontraído Frei Jonathan. A noiva estava linda, em um vestido com mantilha de Ruth Guimarães. A assessoria, o cerimonial e a decoração do evento foram feitos pelo TangerineCerimonial, que usou bastante o lilás, cor preferida da noiva, que fez questão de tê-la também presente no buquê do A Roseira. O paisagismo foi do MMPlantas e as flores da decoração do salão foram de A Roseira. O bolo, sempre um sucesso, foi da Vera Andrade; os bem casados, Elvira Bona e todos os doces da Tania e Sonia Doces. O bufê, muito elogiado, foi do Ponto Três. Roberto Júnior, DJ, foi o responsável pela música da cerimônia e da recepção. Fábio Vicent, com seu olhar atento e tranqüilo, fotografou todo o evento que, além do Teto de Aço, teve o seu ponto alto no clima familiar e intimista, tão desejados pelos noivos.
















quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Casando no domingo

Costuma ser fácil conseguir um domingo para a celebração de casamentos. A escolha desse dia oferece aos noivos um leque de opções de locais e de fornecedores. Foi assim no casamento de Roberta e Marcos, que optaram por uma Igreja histórica, o Outeiro da Glória, e recepção para os convidados no salão da própria Igreja. A assessoria do cerimonial existe exatamente para interpretar a proposta oferecida pelos noivos e fazer com que um sonho se transforme em realidade. Planilhas e cronogramas são sempre bem vindos, mesmo em eventos com propostas de fácil execução. As reuniões que antecederam ao evento, na casa da Roberta, foram sempre muito agradáveis, finalizadas com café, feito por quem entende, e cookies quentinhos feitos pela Solange, mãe da noiva.

Por ser num domingo, a escolha de bons fornecedores foi tranquila e o resultado, o esperado.  Roberta e sua mãe acertaram na escolha da estilista Tereza Valentin, que soube interpretar muito bem o desejo da noiva, que em um modelo retrô pôde usar um lindo colar de pérolas de sua família, remetendo-nos a um casamento dos elegantes Anos Vinte. A maquiagem da noiva, que ficou linda, foi de Dany do Esmell; o buquê e a ornamentação da Igreja e do salão foram do Sr. Joaquim do “A Roseira”; o Ornamentus, responsável pela música na Igreja, brilhou em um repertório bem escolhido pelo noivos; o iluminador da Igreja e do salão foi Otávio Roldan, que soube valorizar muito bem os dois ambientes, realçando a beleza e as características históricas do Outeiro; Tangerine Cerimonial foi o responsável pelo planejamento, cerimonial e pela decoração do salão, com flores de A Roseira e móveis do Portal do Oriente; toalha de Ruth Dourado e peças da mesa de doces da Panos e Cores; o lindo bolo foi do “Casal Garcia”, doces portugueses de Mônica e Naná, doces da Fabiana D´Angelo e bem-casados da Ilze Cunha; o cocktail volante de Andrea Tinoco foi muito elogiado e, dentro da proposta inicial, teve a duração de três horas, que foram suficientes para a confraternização de amigos e parentes, ao som de músicas de fundo carinhosamente escolhidas pelos noivos. Através do seu olhar atento, a fotógrafa Luiza Reis soube muito bem retratar a tarde/noite de domingo desse casamento com clima intimista e elegante, que me remetia às agradáveis reuniões que antecederam ao evento com a noiva e sua mãe.